Header Ads


Agente Comunitária de Saúde e de combate às endemias no meio de uma guerra.

     Dupla agenda em Brasília, ataques nas redes sociais, jogo político envolvendo deputados e senadores, afinal, quem perde e quem ganha com essa guerra.  —  Foto: Reprodução.
 
Agente Comunitária de Saúde e de combate às endemias no meio de uma guerra
Publicado no JASB em 12.outubro.2021.  

Agentes de Saúde  O sistema que explora os Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias ganhou um grande reforço, que o torna mais forte e torna os agentes mais vulnerável. Enquanto os agentes são "levados na conversa," com argumentos contraditório, linguagem técnica num "juridiquês" que ela não compreende e nem mesmo sabe se o que é falado é bom ou ruim, não imaginando que há batalha sendo travada por suposto poder, buscando fortalecer um uma associação, que foi criada para servir a elite sindical nacional e destruir a todos e qualquer oposição ao plano financeiro e político-ideológico. 


Isso só acontece com os ACS/ACE?
Presume-se que nenhuma outra categoria do seguimento saúde encara com tanta frequência a criação de novas entidades, que nascem para eleger em cartório os seus presidentes e diretores como ocorre com os ACS/ACE. Hoje, se a pseudo liderança não consegue se eleger na entidade que pretende, simplesmente vai à um cartório, cria uma associação com um nome fantasia que produza a ilusão que se pretende e já está tudo pronto. Mas, pronto para o quê? Para confundir a categoria, que não escolheu nenhuma associação e mesmo assim a diretoria, que não foi eleita pela categoria, se depara com o argumento de que a nova associação criada no cartório para satisfazer um plano de dominação, representa os 370 mil ACS/ACE. Que filme de terror é esse e o que isso implica no fortalecimento dos inimigos desses agentes de saúde?

VEJA TAMBÉM:

O que ocorreu em Brasília, durante as manifestações em prol do Piso Nacional?

     Os diretores da CONACS falam sobre as novas dificuldades enfrentada na Mobilização de Brasília, diante da dupla agenda.  —  Foto: Reprodução.

Novas Dificuldades na Mobilização de Brasília
A direção da Confederação sobre a última Mobilização da categoria, realizada em Brasília comentou: "...estão ficando ainda mais difíceis, uma vez que os próprios trabalhadores estão permitindo que as divergências de pensamentos, divida e enfraqueça a força da mobilização, deixando de ter foco único e dividindo a atenção da categoria e consequentemente dos parlamentares. Essas atitudes não favorecem a luta, muito pelo contrário, e isso é preocupante. 
Segundo a Confederação, a categoria atendeu ao seu chamado à Brasília, mas "ficou insegura pois as atividades propostas eram de uma e de outra." Confira a matéria completa, aqui!

A luta que desune 
Se de um lado os ACS/ACE possuem uma Confederação, que nasceu com o propósito de garantir os seus direitos, mesmo diante de um universo de limitações já conhecido por todos, a entidade que foi criada há 23 anos conseguiu fortalecer nacionalmente a luta dos agentes. Ainda há muito o que melhorar, segundo Ilda Angélica Correia, atual diretora presidente da entidade, as limitações de logística são diversas, contudo, agora há um agravamento por causa da divisão descrita por acima.

A PEC 22 e o Reajuste do Piso Nacional
Atualmente não existe nenhuma proposta de nenhuma outra entidade formada por ACS/ACE, que possa garantir o Reajuste do Piso Nacional a não ser a CONACS. A única proposta feita pela categoria, que esteja em tramitação em Brasília, é justamente a PEC 22. Sem ela não há nenhuma garantia de que a categoria terá o reajuste do Piso Nacional no próximo ano e nos anos seguintes. Vejam como a coisa é séria!


Aposentadoria Especial e demais direitos
A elite sindical nacional usa as mídias sociais para fazer confusão, não esclarece os fatos, foca em "picunhinhas," tentando desqualificar o trabalho de grande importância realizado pela Confederação. Por que não falam que a CONACS tem um novo texto para a PEC 22, que garante a Aposentadoria Especial e demais direitos, que denominam de desprecarização? Por que não são sinceros em suas lives, reconhecendo que há um trabalho sendo realizado e que há possibilidade dele avançar, se não houver as investidas diariamente, feitas contra ela.

Todo dia tem confusão nas redes sociais
Todos os dias, o dia inteiro, a CONACS é atacada pelos que desejam tomar o seu lutar de destaque. E o pior é que usam com frequência argumentos que são verdadeira contradição. Fala-se em luta que une, quando usam a luta para promover a desunião. É o velho método, usado por ditadores em diversos países: "dividir para conquistar." Algo extremamente vergonhoso, contudo, é isso que todos podem observar. Buscam dividir os ACS/ACE na tentativa de conquistar uma posição de destaque, até que deseja possível destruir os supostos inimigos.

Quem perde e o que perde 
Os danos causados aos Agentes Comunitários e de Combate às Endemias é inqualificável. Se atualmente a situação já não está favorável, considerando a falta de garantia de direitos, inclusive, direitos básicos como a estabilidade no cargo, piso nacional, insalubridade, incentivo adicional e outras gratificações, imaginem as consequências com o enfraquecimento da luta nacional. Nenhuma categoria dividida se torna forte, contudo, toda categoria dividida tem a tendência de amargar as perdas causadas pela falta de união. Isso já pode ser percebido nos municípios. Alguns com conquistas expressivas, fortalecidas pela união e articulação da categoria. Em outros municípios, a falta de união tem feito com que tanto os ACS, quanto os ACE acumulem perdas terríveis, inclusive, perdendo direitos já conquistados como insalubridade, incentivos financeiros e outros.

Que elegeu a elite sindical nacional?
Esta é uma pergunta que não tem resposta, já que a elite sindical não precisa ser eleita, ela se elege. Basta ir em qualquer cartório, pagar as taxas e sair como presidente, diretor executivo, prontos para arrecadar até R$ 200 mil por mês ou quase R$ 2,5 milhões (quase dois milhões e meio ao ano) com a criação de um sistema de arrecadação exclusivo: cada entidade filiada pagará um valor diferenciado, assim, cada sindicato filiado pagará um valor específico, baseado no número de membros que possuem. Assim, um sindicato que possui 3.000 filiados, irá arcar com R$ 3.000,00 (três mil reais). No Brasil, nenhuma outra entidade voltada aos ACS/ACE a nível nacional tem um sistema arrecadatório como esse, sendo apenas uma entidade associativa. Percebem o qual é o motivo das confusões nas redes sociais?

JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil
Inscreva-se no canal do JASB no YouTubeWhatsAppTelegram ou Facebook.

O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de qualquer valor, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado! Veja como doar aqui!

Confira os preços baixos de nossa loja, aqui!

VEJA TAMBÉM:


Tragédia: Queda de árvore provoca morte de Agente Comunitária de Saúde

     A ACS Cláudia Regina de Souza ainda chegou a ser socorrida ao Hospital Público de Alta Floresta, mas não resistiu aos ferimentos.  —  Foto: Reprodução.
 
A Agente Comunitária de Saúde Cláudia Regina de Souza, morreu na após ser atingida por tronco de árvore, durante uma derrubada. Segundo informações colhidas pelo JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil a fatalidade aconteceu na zona rural de Alta Floresta D´Oeste, em Rondônia Veja a matéria completa, aqui!


De início, a direção reconhece a importância da união das duas categoria em prol das agendas que as beneficia nacionalmente. O destaque da diretoria da Confederação está focado na defesa dos trabalhadores/as.  Veja a matéria completa, aqui!

Conteúdo relacionado:

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.