Header Ads


Aposentadoria: aprovada contagem de tempo de serviço dos agentes comunitários e de endemias.

     Pressão dos agentes comunitários de saúde e de combate às endemias promove avanços em Brasília.  —  Foto: Reprodução.
 
Aposentadoria: aprovada contagem de tempo de serviço dos agentes comunitários e de endemias.
Publicado no JASB em 08.outubro.2021.  

Agentes de Saúde | Exatamente como tem defendido os voluntários da MNAS - Mobilização Nacional dos Agentes de Saúde, a articulação da categoria em suas bases faz toda a diferença, especificamente quando está unida. Geralmente se espera muito das representações e das entidades, contudo, quem realmente faz a diferença é a categoria. Sem ela, nenhuma entidade consegue avançar e garantir nenhum direito. Cada vitória obtida, sem dúvida alguma, ocorre porque a categoria fez pressão, cobrou de seus parlamentares usando as redes sociais e, até mesmo, presencialmente. 

Avanços na Aposentadoria
O PLS 350/2018, que segue para a Câmara dos Deputados, teve o relatório favorável do senador Rogério Carvalho (SE) lido pela senadora Zenaide Maia (RN); agentes de saúde acompanharam votação (Roque de Sá/Agência Senado).

Com a presença de representantes da Federação Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde e Endemias (Fenasce), a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovou nesta terça-feira (5) projeto que permite contagem do tempo de serviço desses agentes para obtenção de aposentadoria do período de janeiro de 1991 a dezembro de 2006, mesmo que não tenha havido contribuição naquele tempo. O parecer aprovado se fundamenta na previsão constitucional referente a esses profissionais.


O senador Paulo Rocha (PA) é coautor do PLS 350/2018, juntamente com Humberto Costa (PE).

O PLS 350/2018, dos senadores Paulo Rocha (PA) e Humberto Costa (PE), recebeu parecer favorável, com emendas, do senador Rogério Carvalho (SE). O texto segue agora para análise da Câmara dos Deputados, caso não haja pedido para votação em Plenário.
— Se pensarmos em medicina preventiva, são esses mulheres e homens que vão as casas das pessoas, fazendo um trabalho árduo, importantíssimo, que salva muitas vidas. Eles merecem, porque trabalharam muito tempo sem reconhecimento — afirmou a senadora Zenaide Maia (Pros-RN), relatora Ad hoc da matéria.

Na reunião deliberativa, o senador Paulo Rocha lembrou que foi autor da lei que transformou os agentes comunitários em profissionais da saúde.

— Esse é um projeto muito simples, mas de grande alcance de justiça humanitária. Eles não eram reconhecidos como profissionais, mas são verdadeiros médicos da família em rincões de nosso país.

Aposentadoria 

Os autores explicam que a Emenda Constitucional 20 determinou que a aposentadoria se dê por tempo de contribuição em vez de tempo de serviço. A emenda estabeleceu também que, desde que a legislação então vigente assim o permitisse, o tempo de serviço poderia ser contado para fins previdenciários, independentemente de contribuição. 


Eles lembram que, desde 1992, não existe categoria de trabalhador que não seja segurado obrigatório de algum regime previdenciário, seja ele servidor público ou empregado regido pela CLT. “Vale dizer: mesmo antes da vigência da Emenda 20, todo o trabalhador, ao prestar serviço a ente estatal ou entidade ou empresa regida pelo direito privado, já se achava obrigatoriamente vinculado a algum regime de previdência”, afirmam.

Em 2006, a Lei 11.350 regulamentou a Emenda Constitucional 51, aprovada naquele mesmo ano, e disciplinou o exercício das atividades dos agentes, submetendo-os ao regime jurídico estabelecido pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), salvo se, no caso dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, lei local dispusesse de forma diversa. De acordo com Paulo Rocha e Humberto Costa, em sua maioria, os governos locais têm optado pelo regime da CLT. Assim, os autores afirmam que o projeto tem como impacto principal assegurar a contagem do tempo entre 1999 e 2006 para fins de aposentadoria, sem a necessidade da comprovação de contribuição.

Segundo eles, para os agentes que passaram, na forma de lei municipal, ao regime estatutário, não há que se falar em exigência de tempo de contribuição anterior ou posterior à Emenda 51, pois a continuidade do vínculo determina que o tempo de serviço prestado seja computado para todos os fins, inclusive previdenciários.

Escola no RJ alerta pais sobre a série da Netflix ‘Round 6’; LEIA CARTA NA ÍNTEGRA

“Para os que, porém, passaram a ser vinculados como celetistas, é decorrência obrigatória que o tempo anterior seja igualmente considerado como tempo de contribuição presumido, cabendo ao ente estatal a compensação financeira ao Regime Geral da Previdência Social (RGPS)”, explicam.

Norma transitória

A Emenda Constitucional 20 efetivamente promoveu, segundo o relator, a significativa alteração conceitual nas regras constitucionais sobre previdência ao prever que a aposentadoria passaria a se dar por tempo de contribuição em vez de por tempo de serviço, como previsto no texto original da Carta.

“O artigo 4º da Emenda Constitucional, daí, veiculou a necessária norma transitória no tema, permitindo que, desde que a legislação então vigente assim o permitisse, o tempo de serviço poderia ser contado para fins previdenciários, mesmo que não tivesse havido contribuição”.

O relator, Rogério Carvalho, apresentou emenda para deixar claro no texto que não se está buscando ultrapassar os limites postos pela Emenda Constitucional 20, “para, por exemplo, permitir que todo o tempo de serviço eventualmente prestado pelos agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias anteriormente à publicação daquele diploma legal possa ser considerado para fins previdenciários sem contribuição, mesmo sem previsão expressa na legislação então vigente”.

Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado
Agência Senado
JASB - Jornal dos Agentes de Saúde do Brasil

O jornalismo do Conexão Notícia precisa de você para continuar marcando ponto na vida das pessoas. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de qualquer valor, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado! Veja como doar aqui!

Confira os preços baixos de nossa loja, aqui!

VEJA TAMBÉM:


Escola no RJ alerta pais sobre a série da Netflix ‘Round 6’; LEIA CARTA NA ÍNTEGRA

     Round 6 tem classificação indicativa de 16 anos, porém, crianças de 7 e 8 anos tem acompanhado a série.  —  Foto: Reprodução.
 
Agentes de Saúde A direção da Escola Aladdin, no Pechincha, zona oeste do Rio de Janeiro, enviou a pais e responsáveis uma carta sobre preocupações a respeito da série coreana Round 6, da Netflix. O conteúdo viralizou em grupos de WhatsApp... Veja a matéria completa, aqui!


FNARAS e CONACS em Brasília: Somente a união em defesa dos direitos dos ACS/ACE trará a vitória 

     Palestra educativa iniciou a programação da campanha no município.  —  Foto: Reprodução.

Agentes de Saúde | Puxada pela CONACS - Confederação Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde, cuja proposta inicial de mobilização nacional com manifestação em Brasília, foi amplamente questionada nas m´dias sociais, a Associação Fnaras também aderiu ao movimento no Distrito Federal. E como fica a Federalização?

Conteúdo relacionado:

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.